Redes Sociais para as Empresas: 7 Dicas para utilizar a partir de hoje!

As redes sociais são meios de comunicação altamente relevantes hoje em dia. Buscadas pelo público em geral como uma nova maneira de socialização, elas tornaram-se essenciais para o sucesso de pequenas empresas. Estar fora das redes sociais significa deixar de se comunicar diretamente com o seu consumidor.

Mesmo assim, essa não é uma tarefa fácil! É preciso saber como engajar o público, ser carismático, tornar-se íntimo, e para que isso aconteça é preciso rever muitos conceitos da comunicação tradicional, e entrar no mundo do Social Media.

Este artigo traz alguns pontos importantes que você precisa conhecer sobre o uso de redes sociais pelas empresas, para que você entenda como tirar o máximo proveito das interações que elas permitem. 

Bora lá? Boa leitura!

1 – Conheça o público-alvo das suas Redes Sociais

Acerte em cheio seu alvo nas redes sociais

Tenha muito bem definido os principais atributos do seu produto ou serviço, e, baseando-se nessas soluções, procure desenhar os perfis dos consumidores ideais que você quer atrair. Ao fazer isto, você estará desenvolvendo uma Buyer Persona.

A definição de Buyer Personas (sim, no plural, é comum criar várias) pode ser feita com pesquisas de comportamento na internet, e um pouco de “intuição”, digamos assim. Mas é extremamente recomendável que você traga o maior volume de informações reais possível.

Para obter esses dados reais, existem as empresas especializadas em pesquisas de mercado que vão te dar informações muito importantes do seu público-alvo, com dados sociais, demográficos e econômicos de quem vai consumir o seu produto. 

Já a Buyer Persona é um passo além desse estudo social, demográfico e econômico, no qual você dará personalidade aos dados obtidos anteriormente, criando personagens semi-fictícios com detalhamentos como nome, profissão e estilo de vida, buscando uma conexão maior com as pessoas, o que é essencial para o Marketing Digital.  

Se o seu negócio ainda não tomou as proporções para investir em uma pesquisa de mercado, é possível reunir informações por meio de formulários de internet, ou mesmo montando estandes de pesquisa em pontos estratégicos (em locais de grande movimentação, ou – de preferência – locais em que você já saiba que o seu público frequenta) da sua cidade.

Lembre-se, Giralfildes; para ser imparcial e captar informações que irão de fato ajudar você a se comunicar melhor com o seu público, priorize questões que abordem hábitos de consumo que façam sentido para o seu produto ou serviço, também levando em consideração algumas informações demográficas.

Ficou se perguntando que tipo de questões você deve fazer? Se liga:

Demográficas

  • Nome;
  • Idade;
  • Raça;
  • Escolaridade;
  • Gênero (masculino, feminino, LGBTQIA+);
  • Bairro onde mora;
  • Estado Civil (morando junto, namorando ou comprometido significam algo pra você! Ofereça qualquer opção);
  • Filhos.

Habitos

  • Como as pessoas costumam te chamar? (apelido)
  • Você gosta de animais? tem algum pet?
  • Vai ao médico com frequência?
  • Prefere um passeio cultural ou é mais da curtição?
  • Você tem ou gostaria de ter um carro? Qual?
  • Você se preocupa com questões ambientais?
  • Você costuma sair aos finais de semana? Quais lugares gosta de frequentar?
  • Você prefere Android ou Apple, por quê?
  • Você curte jogos e livros?
  • O que você costuma procurar numa solução?

Se possível, ofereça brindes pela participação; nada melhor do que passar uma boa impressão com um primeiro contato de troca entre a empresa e seu potencial cliente! Isso aumenta as chances de que ele responda as questões corretamente e fique atento ao que sua marca está fazendo!

Com esse trabalho de pesquisa, você terá melhores bases para criar sua buyer persona – um conhecimento fundamental para definir toda a sua estratégia de jornada de compras, passando por linguagem visual, tom de voz e posicionamento de mídia.

2 – Defina seus principais canais

A escolha dos seus canais é primordial

Qual é o melhor formato de conteúdo para cada rede social?

Tenha sempre em mente que as diferentes mídias sociais “aceitam” melhor determinados formatos de conteúdo, podendo ser baseados em imagens, vídeos ou textos. Todos são válidos, desde que a sua produção de conteúdo preze pela qualidade! Lembre-se que as pessoas também procuram se informar pelas redes sociais.

Saiba se posicionar naquelas que melhor correspondam ao estilo do seu negócio.

O Facebook é a maior rede social atualmente, com mais de 2 bilhões de usuários. Entretanto, se suas pesquisas apontarem que o seu público ideal interage com mais frequência no LinkedIn, ou no Instagram, esses números serão bastante relativos.

É importante ressaltar que os modelos de negócio das redes sociais sofreram mudanças nos últimos anos, tornando-se espaços publicitários bastante competitivos. Isso significa que, além de produzir conteúdos relevantes, atuais e bem construídos, é necessário investir em anúncios para divulgar produtos e serviços com maior efeito.

Note, também, que as estratégias de comunicação voltadas para as redes sociais têm em sua composição algo em torno de 80% de conteúdo informativo e 20% de propagandas diretas.

Isso não significa que você precisa seguir essa receita de bolo, ou que o conteúdo informativo é mais importante que os seus produtos e soluções. Porém, é importante que você não transforme as suas redes sociais em vitrines vazias, ou você corre o sério risco de se tornar irrelevante.

3 – Tenha um planejamento de conteúdo

Isso vai garantir que você cumpra um dos principais requisitos – a frequência. Descobrir qual a frequência ideal para as suas publicações é algo que cada empresa precisa fazer por si própria, aferindo a aceitação do público com base nos dias e horários que ele está mais ativo.

A depender do estilo do conteúdo, ou da abordagem, pode ser que o seu público fique ávido por mais coisas parecidas, ou pode ser que uma alta exposição daquele tipo de informação se vire contra a sua estratégia.

Por isso, entenda como fazer um bom planejamento para as suas redes sociais:

  • Crie suas linhas editoriais;
  • Defina sua frequência semanal de publicações;
  • Teste diferentes abordagens;
  • Colete as informações da plataforma e os feedbacks do público;
  • Aprimore esses pontos (editoria, frequência e abordagens).

Procure não realizar alterações muito drásticas dentro de um dado planejamento – fazer isso vai impedir que você solidifique as boas práticas, ou tenha a certeza de que determinado tipo de conteúdo não deu certo.O tempo de maturação mínimo de um planejamento gira em torno de 4 ou 5 meses, menos tempo que isso dificilmente oferecerá bases concretas para novas tomadas de decisão. Excetuando, é claro, que haja uma rejeição evidente de algum tema ou abordagem.

4 – Entenda o ‘porquê’ das redes sociais

Você deve compreender as suas redes sociais como um veículo de comunicação na letra fria do termo, significando diálogo. Ter um perfil com milhares de seguidores no Instagram não torna a sua marca necessariamente mais legítima: uma pessoa que não conhece a sua empresa, após perceber o grande número de seguidores, vai navegar pelo seu perfil e procurar entender porque ele é tão popular. 

Se ele não encontrar esses motivos (na forma de engajamento e/ou conteúdos relevantes e de qualidade), imediatamente achará que a sua empresa contratou um serviço de compra de seguidores, robôs, e isso com certeza depõe contra o propósito das redes sociais.

Ao invés disso, identifique os interesses do seu público e compartilhe com eles. Afinal, existe um motivo pelo qual cada pessoa começou a te acompanhar por ali, e você fará bem em alimentá-los cada vez mais.

Não foque seu planejamento na exposição de produtos ou serviços – a comunicação das redes sociais é mais subjetiva, como numa conversa. Imagine conversar com alguém que só fala de um assunto?Para anunciar suas soluções, as redes sociais oferecem os melhores ambientes para investir em campanhas de Inbound Marketing e Remarketing. Isso é feito por meio de campanhas de tráfego pago com jornadas de compra bem definidas, e o pixel do Facebook instalado no site da sua empresa para gerar as ofertas.

5 – Estimule a interação

Quanto maior o número de pessoas comentando suas publicações, salvando para consultar mais vezes ou curtindo, mais você estará fazendo os algoritmos funcionarem a seu favor  – exponencialmente.

Além disso, nunca se esqueça de que o maior motivo de estar presente nas redes sociais é o contato direto com o público em tempo real, para a afirmação da sua autoridade e a criação de leads qualificados. Tire o máximo dessa interação.

Dar a palavra à sua audiência vai fazer com que ela se sinta parte de uma comunidade, e para fazer com que isso realmente funcione, você precisa conhecer bem a sua persona!

Imagine-se conversando com um amigo – de Brand Persona (empresa) para Buyer Persona (consumidor).

Num diálogo, normalmente os assuntos surgem na nossa memória devido a algum conhecimento prévio a respeito das inclinações do interlocutor, temos interesses em comum com eles, e queremos que eles se sintam à vontade conosco.Uma vez que a marca consegue trocar com um seguidor, mais trocas virão. Assim você estará construindo relacionamentos.

6 – Use as hashtags corretas para atrair mais público

Quando utilizadas com critério e estratégia, as hashtags podem se tornar ótimas aliadas na distribuição de conteúdos, sabe por quê?

Elas funcionam como indexadores – tratam-se de palavras-chave que colocam suas publicações de encontro ao que as pessoas estão procurando. O grande lance é pesquisar os termos relacionados ao seu negócio e montar um banco de palavras.

O uso de hashtags tem algumas regras:

  • Primeiramente, ela é ativada com o (#) jogo da velha, e toda a palavra-chave deve ser digitada sem espaços, assim – #Girafildes.
  • Elas funcionam com palavras ou frases, então nada de picotar suas hashtags assim: #social #media. A não ser que você esteja falando de um fato social, e também da mídia como um todo, o certo é agrupar os sentidos: #socialmedia.
  • Se quiser facilitar a leitura, é liberado o uso da caixa alta – #SocialMedia.

Lembre-se sempre que você deseja atrair o público certo para as suas publicações. Por isso, a não ser que o seu negócio tenha alguma relação com um acontecimento que está bombando nas redes sociais, não force a “surfação de onda” – se não houver um lastro verdadeiro com o fato, o efeito para você será nulo ou negativo.

Outro fator para se ligar: hashtags são criadas pelos usuários (empresas ou o público em geral), e quando “pegam” se tornam relevantes. Não há um método de controle no momento da criação, mas, as hashtags consideradas ofensivas são banidas, e o uso delas acarreta penalidades na entrega do seu conteúdo e a possibilidade de um pequeno “ban” do seu perfil.

7 – Nunca dependa totalmente do tráfego orgânico

Lembra do começo deste artigo, em que falamos dos bilhões de usuários? Pois bem, são bilhões falando ao mesmo tempo e muitos negócios como o seu procurando meios de atrair pessoas, assim como você.

O tráfego orgânico (posts não patrocinados) é baseado na qualidade do conteúdo, sua relevância, e no alcance imediato do seu perfil. Isso significa que para ter sucesso em publicações não patrocinadas, você precisa primeiramente investir na qualidade das suas publicações, e mesmo assim, o sucesso desses posts estarão condicionados ao tamanho do seu perfil e ao alcance de distribuição da rede social naquele momento.

Nunca se esqueça que a porcentagem de exibição orgânica no Instagram (por exemplo) é de apenas 10% dos seus seguidores.

O impulsionamento simples de publicações (botão “turbinar”) aumentará esse alcance (mesmo sendo menos eficiente que o Facebook Ads), distribuindo também para pessoas que ainda não seguem o seu perfil, e as campanhas de tráfego pago permitem uma segmentação de público específica, garantindo que a sua mensagem seja entregue para as pessoas certas.

É importante que você tenha esta consciência: se o intuito é crescer o perfil do seu negócio nas redes sociais, só com publicações orgânicas será extremamente difícil!

Entenda tudo o que você precisa saber sobre tráfego orgânico e tráfego pago lendo este artigo

(Dica Bonus) – Tenha um Social Media cuidando das suas redes sociais

Não que seja impossível aprender a “se virar” nas redes sociais, e isso é até recomendável no início. 

No entanto, cedo ou tarde você vai acabar percebendo que os próprios Social Media estão constantemente estudando para aprimorar suas técnicas e conhecimentos. 

Isso porque as atualizações das plataformas são bastante recorrentes, existe o aspecto visual que não pode ser negligenciado, além do estudo de linguagem que também é muito importante – é um “trabalho em progresso” constante! 

Então, naturalmente, à medida que o negócio for crescendo e você continuar como o gestor de mídias sociais, você poderá começar a se afastar do seu Core Business.

Portanto, comece a considerar a delegação dessa tarefa, se não agora, assim que uma verba para Marketing Digital esteja disponível. Pesquise opções de Agências Digitais no mercado, e solicite seus orçamentos para tangibilizar esse passo. 

O fim da história

O fim da história é que não há fim da história. Não existem receitas mágicas; o que existe é o esforço de transportar todos os sentidos da sua marca para as mídias sociais, seus valores e aspirações, e, através disso, cativar o interesse de potenciais clientes e gerar leads qualificados.

É possível que você esteja terminando esta leitura com mais perguntas do que tinha quando começou, e tudo bem! Para ajudar com isso, chama a gente aqui no chat e vamos bater um papo!

Além disso, se quiser dicas rápidas, siga o nosso Instagram que tem bastante coisa lá também!

Leia também